segunda-feira, 25 de outubro de 2010

CGU aponta irregularidades no monotrilho de Manaus

25/10/2010 - Portal 2014

A Controladoria Geral da União (CGU) confirmou na última semana as irregularidades apontadas em maio pelos Ministérios Públicos federal e estadual no Amazonas no edital do monotrilho de Manaus. 

Depois que os MPs apontaram deficiências no projeto básico, a CGU concluiu que a construção do monotrilho terá um custo maior do que o previsto e que o valor da tarifa deverá ser maior que o estimado pelo governo estadual, demonstrando a inviabilidade do projeto.

Além do alto custo de implantação e operação do monotrilho, o órgão do Executivo federal encontrou problemas na integração do monotrilho com um Bus Rapid Transit (BRT) que também será construído em Manaus e diz que o edital estipula um tempo muito curto para a conclusão da obra.

A construção do monotrilho está estimada em R$ 1,3 bilhão. A obra terá financiamento de R$ 600 milhões do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) com juros subsidiados por fazer parte da preparação da capital amazonense para a Copa de 2014.

O projeto básico do monotrilho foi objeto de perícia técnica da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão (CCR) do MPF, que identificou que o documento não possui o detalhamento adequado do projeto arquitetônico das estações, fundações, estrutura, instalações elétricas, hidráulicas, sanitárias, lógica, sinalização e climatização. 

A CGU concluiu que a construção do monotrilho terá um custo maior do que o previsto e que o valor da tarifa deverá ser maior que o estimado pelo governo estadual, demonstrando a inviabilidade do projeto. O preço médio da tarifa praticada no mundo é de $ 7, enquanto a estimada pelo governo estadual é de R$ 2,50.

BRT 
A CGU verificou que o planejamento para a operação de uma linha de monotrilho integrada a um sistema de Bus Rapid Transit (BRT) é precário, e que não existem informações técnicas e estudos sobre a compatibilidade do uso dos dois sistemas em conjunto, no que se refere à integração física e tarifária.

Outro ponto destacado pelo órgão foi a ausência de casos de sucesso quanto à implantação e operação do monotrilho como transporte de massa –o sistema costuma ser utilizado em parques de diversão, centros de lazer e turismo. Além disso, a CGU aponta o risco de o empreendimento não ser concluído até a Copa de 2014.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Ministério das Cidades garante R$ 8 bi para obras da Copa

14/10/10 - Agência Brasil

BRASÍLIA - O Diário Oficial da União publicou nesta quinta-feira (14) Instrução Normativa do Ministério das Cidades que estabelece a liberação de financiamento para obras de infraestrutura nas cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.

Até R$ 8 bilhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço(FGTS) foram destinados a empreendimentos que deverão agilizar a circulação de pessoas e veículos nas capitais, facilitando o acesso a estádios, aeroportos e portos. Uma das prioridades é o transporte coletivo, com a construção de corredores de ônibus e veículos leves sobre trilhos (VLTs).

Outros R$ 3 bilhões foram alocados para propostas de operação de crédito referentes à execução das ações do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2.

As obras de transporte público prioritárias para a realização do mundial foram definidas no início do ano entre o governo federal, prefeitos e governadores das 12 cidades-sede da Copa de 2014. Segundo o ministro das Cidades, Márcio Fortes, o governo priorizou obras de transporte público que pudessem ser concluídas antes do Mundial e que já tivessem projetos finalizados ou licenças ambientais liberadas.

Dessa maneira, os metrôs de Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Salvador não receberão recursos. Entre os projetos aprovados estão os veículos leves sobre trilhos (VLTs) de Brasília e Fortaleza, os monotrilhos de São Paulo e Manaus, 20 sistemas de bus rapid transit (BRT) e dez corredores expressos de ônibus. As capitais têm até o meio do ano para enviar os projetos ao ministério e até dezembro para iniciar as obras.

As capitais contempladas com a maior quantia foram o Rio de Janeiro e São Paulo. Os cariocas receberão R$ 1,19 bilhão para a linha de BRT ligando o Aeroporto Tom Jobim aos bairros da Penha e da Barra da Tijuca. A capital paulista terá R$ 1,08 bilhão para a linha de monotrilho entre o Aeroporto de Congonhas e o Estádio do Morumbi.

Em seguida vêm Belo Horizonte e Manaus. Os mineiros poderão financiar até R$ 1,02 bilhão da construção de seis BRTs, entre outras obras. A capital amazonense poderá captar R$ 800 milhões, dos quais 75% financiarão o Monotrilho Norte-Centro, orçado em R$ 1,3 bilhão.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Suspensa a análise de financiamento para o monotrilho e o BRT em Manaus

16/09/2010 D24 am

A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) suspendeu, no último dia 8, a análise do pedido de financiamento do Estado do Amazonas de R$ 800 milhões para as obras do monotrilho e do Bus Rapid Transit (BRT), projetados para atender o transporte urbano na Copa do Mundo de Futebol de 2014, em Manaus.

Os projetos foram selecionados pela Caixa Econômica Federal para serem financiados com recursos do Programa 'Pró-Transporte', gerido pelo banco estatal, que atenderá exclusivamente projetos de mobilidade urbana das cidades-sede da Copa.

O procurador-geral do Estado, Frânio Lima, disse que espera 'outros fatos' esta semana e informações consolidadas da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) para poder definir que providências jurídicas podem ser tomadas para que o financiamento obtenha a autorização da STN.

Sem a anuência da STN, a Caixa não pode finalizar o processo de financiamento, assinar o contrato de operação de crédito com o Estado e transferir os recursos para o andamento das obras.

Em julho deste ano, o governo do Estado teve suspenso o pedido de anuência ao financiamento de R$ 400 milhões, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para as obras da Arena da Amazônia, por causa do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que ultrapassou os limites previstos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (PRF) com pagamento de pessoal.

Uma liminar da ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie, suspendendo as limitações ao empréstimo por causa do TCE, permitiu que o processo fosse aprovado e enviado para o BNDES analisar, antes do dia 2 deste mês, data-limite para a emissão dessas autorizações.

No caso do financiamento para as obras de mobilidade urbana, Frânio Lima disse não saber quais os motivos para a suspensão da análise pela STN, que deu prazo para o Amazonas prestar informações. Ao analisar os pedidos, a STN verifica a situação financeira do Estado em relação à legislação em vigor, porque a garantia de pagamento do empréstimo são as parcelas do Fundo de Participação dos Estados (FPE). A reportagem tentou contato com o secretário-executivo da Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan), Rodrigo Camelo, mas não obteve sucesso.

As obras para o transporte público para a Copa de 2014 estão orçadas em quase R$ 2 bilhões, sendo R$ 1,3 bilhão do monotrilho e R$ 630 milhões para o BRT. Desse montante, R$ 800 milhões estão sendo buscados via financiamento da Caixa, dos quais R$ 600 milhões serão para o monotrilho e R$ 200 milhões para o BRT, que será executado pela Prefeitura de Manaus.

sábado, 21 de agosto de 2010

Scomi é habilitada para o monotrilho de Manaus


19/08/2010 - Portal Amazônia/RF


O consórcio Monotrilho Manaus, composto por CR Almeida, Mendes Jr, Serveng e Scomi, foi habilitado na licitação do projeto executivo, construção, fornecimento e implantação de sistema monotrilho para a região metropolitana de Manaus.

As propostas foram entregues na semana passada e ontem (18), a Comissão Geral de Licitação do Poder Executivo (CGL) realizou a sessão de divulgação do resultado do julgamento das documentações dos licitantes interessados em participar da concorrência.

O consórcio monotrilho Manaus concorreu com o consórcio Via Verde, composto pelas empresas Delta, TB e Intamin, que foi inabilitado no certame, por não apresentar quatro itens de acordo com o exigido em edital. Intamin (Suiça) e Scomi (Malásia) são dois dos quatros fornecedores mundias de monotrilhos, que incluem a japonesa Hitachi e a canadense Bombardier.

Após publicação do resultado, o consórcio terá cinco dias úteis para recorrer da decisão. As próximas fases são de análise de proposta técnica e análise de proposta de preços.
Ao todo, 46 empresas retiraram edital para concorrência pública para as obras do monotrilho.
Por sua complexidade, a licitação do monotrilho foi dividida em várias fases, sendo possível interpor recurso em cada uma delas, o que impossibilita a determinação de um prazo para concluir a licitação.
- Trabalhamos com a maior celeridade para que a população do Amazonas possa, finalmente, ver o monotrilho sendo construído, afirma Epitácio Neto, presidente da Comissão Geral de Licitação.
O valor da tarifa do Monotrilho ainda será definido, mas segundo cálculos da Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento (Seplan), a tarifa deve ficar entre R$2,50 e R$3,10. A estimativa de valor foi calculada com base no fluxo diário de 18 mil pessoas que devem utilizar o monotrilho e o tempo de três minutos e trinta segundos de viagem.  O projeto deve custar R$ 1,3 bilhão.
Para o secretário de Planejamento, Marcelo Lima, a tarifa está dentro do custo que a população pode pagar além de oferecer mais conforto e rapidez ao usuário. De acordo com Marcelo Lima, até dezembro deste ano as obras de construção do monotrilho já terão sido iniciadas. Segundo ele, o prazo é uma recomendação do Ministério das Cidades para que as capitais que sediarão os jogos da Copa de 2014 não tenham problemas para se adequarem às exigências da Fifa.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Scomi e Intamin no monotrilho de Manaus

12/08/10 - Revista Ferroviária


Os consórcios Monotrilho Manaus e Via Verde entregaram ontem (11) os envelopes contendo documentação, proposta técnica e proposta de preços para o monotrilho de Manaus.

O consórcio Via Verde é composto pelas empresas Delta, TB e Intamin. Já o consórcio Monotrilho Manaus conta com CR Almeida, Mendes Jr, Serveng e Scomi.  Intamin (Suiça) e Scomi (Malásia) são dois dos quatros fornecedores mundias de monotrilhos, que incluem a japonesa Hitachi e a canadense Bombardier.

A Comissão Geral de Licitação (CGL) da prefeitura de Manaus irá analisar a documentação e os resultados devem ser divulgados na próxima quarta-feira, 18 de agosto.  A vencedora deve ser conhecida até o final de setembro e as obras iniciadas em dezembro deste ano.

O traçado terá 13,6 km de extensão, com sete estações e trens operando em sistema driverless (sem condutor) a 36 km/h, podendo alcançar no máximo 80 km/h. Serão 17 trens de oito carros, comportando mil passageiros por carro, com paradas de 30 segundos  e intervalo entre os trens de 3,5 minutos. A demanda estimada é 18 mil passageiros por dia e tarifa de R$ 2,50.

As futuras estações do monotrilho de Manaus serão: Largo da Matriz, Constantino, São Jorge, Arena (próximo do futuro estádio de futebol que será construído especialmente para a Copa do Mundo), Santos Dumont, Manoa e Cidade Nova.

O valor global estimado do projeto é R$ 1,3 bilhão. O monotrilho é uma das obras previstas para a Copa do Mundo de 2014.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Monotrilho de Manaus tem licitação adiada pela terceira vez


Licitação do monotrilho deve ser retomada na próxima quarta (11) (crédito: Seplan/Divulgação)
Tamanho da letra
 
Jackeline Farah - Manaus -Portal 2014
postado em 10/08/2010 11:19 h
atualizado em 10/08/2010 12:22 h
O processo licitatório do mais importante projeto de mobilidade urbana de Manaus para Copa de 2014, o monotrilho, foi adiado ontem (9) pela terceira vez. Desta vez os motivos foram os inúmeros questionamentos feitos pelas 46 empresas inscritas no processo licitatório, cuja abertura de propostas de preço foi remarcada para a próxima quarta-feira (11), às 10h.

De acordo com o presidente da Comissão Geral de Licitação, Epitácio Neto, é direito das empresas concorrentes levantarem questionamentos e dever do órgão responder a essas perguntas.

“Recebemos as respostas da Seplan (Secretaria de Planejamento do Amazonas) na sexta-feira, e, devido ao número de empresas, não foi possível responder a todas antes da licitação. Por isso adiamos, para que todas as concorrentes estejam cientes das respostas”, disse Neto.

Para o presidente, a possibilidade de um novo adiamento está descartada. “Estamos com tudo pronto, todo o processo foi alinhado, por questões administrativas essa possibilidade está descartada”, afirmou.

A comissão pretende ter um resultado do processo licitatório até a próxima sexta-feira. Para isso, foi montada uma equipe com três engenheiros e dois advogados.

O monotrilho está orçado em R$ 1,3 bilhão. O governo busca financiamento de R$ 600 milhões da Caixa Econômica Federal, mas o banco negou o empréstimo na última quarta-feira (4) seguindo recomendação dos Ministérios Públicos estadual e federal (leia mais).

Licitação do monotrilho de Manaus será amanhã (11)


10/08/2010

Clique para ampliar
Maquete da estação do monotrilho de Manaus
A Comissão Geral de Licitação (CGL) da prefeitura de Manaus adiou para amanhã (11), às 10h, a sessão pública de recebimento e abertura dos envelopes da concorrência para o projeto executivo, construção, fornecimento e implantação de sistema monotrilho para a região metropolitana de Manaus.
A sessão estava marcada para ontem (9), mas foi adiada por existirem questionamentos não respondidos aos licitantes.
A sessão foi aberta, mas somente para o anúncio do adiamento. Dois consórcios compareceram com envelopes: Consórcio Monotrilho Manaus e Consórcio Via Verde.
Quarenta e seis empresas compraram o edital.
A concorrência 031/2010 faz parte das licitações realizadas pela CGL que contemplam os serviços e obras necessários exigidos pela FIFA para que o estado do Amazonas seja uma das sedes dos jogos de futebol da Copa do Mundo de 2014. Segundo o edital, “define-se como monotrilho um trem com tração elétrica e sustentação por pneus, que se desloca sobre uma viga-guia, com pneus laterais para guia e estabilização”. O valor global estimado do monotrilho é de aproximadamente R$ 1,3 bilhão.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Monotrilho de Manaus fica sem financiamento


04/08/2010 - Agência Estado


A Caixa Econômica Federal não vai financiar o monotrilho, previsto no projeto de mobilidade urbana que faz parte das obras de Manaus para a Copa de 2014. A negativa atende à recomendação do Ministério Público Federal no Amazonas, que considerou o projeto incompleto e não encaixado nos requisitos legais.

Segundo a assessoria de imprensa da secretaria estadual de Planejamento, o governo entende que a medida é de acautelamento da Caixa, mas não compromete o processo de licitação, marcado para a próxima segunda-feira. A construção do monotrilho está estimada em R$ 1,3 bilhão, a maior parte financiada pelo governo estadual - R$ 600 milhões foram solicitados à Caixa.

De acordo com o entendimento do Ministério Público, o projeto não atende às previsões da Lei nº 8.666/99 e está incompleto, sem os essenciais projetos estruturais como detalhamento de armadura, os prédios de pátio estacionamento e manutenção, comunicação, sinalização e demais projetos complementares, necessários à perfeita caracterização da obra.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Manaus apresenta projetos de mobilidade urbana para a Copa


Monotrilho de Manaus é um dos projetos de mobilidade para a Copa (crédito: Divulgação)

 




Jackeline Farah - 
Manaus - Portal 2014
postado em 03/08/2010 12:35 h
atualizado em 03/08/2010 12:40 h
Representantes das secretarias de esporte do Amazonas e da prefeitura de Manaus estão em Brasília para apresentar os projetos de mobilidade urbana da cidade para a Copa de 2014. De acordo com o secretário de Esportes de Manaus, Fabrício Lima, foi realizado um sorteio para a ordem de apresentação entre as cidades-sede. Manaus será a primeira a expor seus projetos não só na área de mobilidade, mas em tudo o que está sendo desenvolvido para a realização da Copa na capital amazonense, afirmou Lima.
Entre os projetos a serem apresentados está o sistema BRT (Bus Rapid Transit), que criará vias especificas para ônibus. “Estamos estudando fazer essas vias em sentindo contrário para evitar que os carros particulares invadam a rota dos coletivos, a exemplo do que foi feito na África e na França”, disse Lima. Segundo o secretário, o BRT é 90% mais barato que um metrô de superfície, por isso a opção da prefeitura de Manaus em investir no projeto.
Além da mobilidade urbana, Manaus também vai apresentar o trabalho de reestruturação que vem sendo desenvolvido no centro da cidade para retirada de camelôs e ainda a reforma e ampliação do Porto e Aeroporto Internacional da cidade. “Estamos esperando a liberação das verbas, serão R$ 90 milhões para o Porto e R$ 372 milhões para o Aeroporto Eduardo Gomes. A Caixa Econômica é quem vai financiar estes valores”, disse Lima.

A arena da Amazônia também terá destaque na apresentação. Com os avanços na demolição do Vivaldo Lima a meta é que até novembro o novo estádio comece a ser erguido.

Monotrilho de Manaus pode ser adiado


01/08/2010 - CBN Manaus
Clique para ampliar
Esboço da estação do monotrilho de Manaus


A licitação do monotrilho de Manaus, que vai do Terminal 4 (T4) de ônibus, no Jorge Teixeira, ao Centro da Cidade, à altura da Praça da Matriz, deve ser adiada outra vez. A apresentação de propostas está marcada para o dia 9 de agosto, com cinco dias para julgamento, mas, diante da licitação de São Paulo, prevista para outubro, os quatro únicos fornecedores mundiais de trens, Bombardier (Canadá), Hitachi (Japão), Intamin (Suíça), Scomi (Malásia) e seus consórcios, devem esperar para especular com os valores, em busca de valor mais elevado.

O preço é a questão central para a dificuldade que Manaus e São Paulo estão enfrentando.

A Prefeitura de São Paulo projeta um monotrilho com 23,8 quilômetros e 54 trens, no valor de R$ R$ 2,375 bilhões. O de Manaus, com 20,2 quilômetros, terá apenas 10 trens de cinco a oito carros cada – dependendo da empresa vencedora, desde que transporte 20 mil passageiros/hora por sentido e 200 mil/dia  – e o preço estimado de R$ 1,327 bilhão. “Quem ganhar a concessão para operar o sistema terá que, entre suas obrigações, acrescentar mais oito trens, para atingir um total de 18 em operação”, informa o secretário estadual de Planejamento do Amazonas, Marcelo Lima Filho.

Serão 9 estações em Manaus, quatro delas de integração. “O preço final varia porque leva em conta valor de subestação de energia, custos de desapropriações e tamanho das estações. A licitação de São Paulo, por exemplo, não contempla a construção das estações, que está previsto na nossa”, disse Marcelo.

Histórico

A primeira tentativa de concorrência para o monotrilho (Nº 08/2010), feita pelo Governo do Amazonas, foi revogada ainda no período de pré-qualificação, em janeiro deste ano. A força tarefa dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, que acompanha a construção da infraestrutura para a Copa do Mundo, apontou uma série de problemas no edital.

A licitação deveria acontecer no dia 26 de fevereiro (Nº 026/2010), mas ninguém apresentou proposta e ela foi considerada deserta.

Foi aberta então a concorrência Nº 031/2010, com edital lançado em 12/03, adiada em 28/04, 12/05 e 28/06, agora marcada para o dia 9 de agosto, com cinco dias para julgamento.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Governo do AM adia licitação do monotrilho


24/06/2010 - Diário AM
A Comissão Geral de Licitação (CGL) do Governo do Estado adiou pela quarta vez a licitação do monotrilho, sistema de transporte por trilhos suspensos previsto para Manaus.  O edital foi republicado, ontem, no Diário Oficial da União (DOU), como uma nova data para a abertura das propostas da concorrência, no dia 9 de agosto.

O presidente da CGL, Epitácio de Alencar, informou por meio da assessoria de imprensa, que a licitação foi adiada atendendo recomendação do Ministério Público Federal do Amazonas (MPF/AM) para adequação do projeto básico do monotrilho, anexo ao edital de licitação. Em abril deste ano, o Ministério Público do Estado (MPE) e o MPF/AM apontaram irregularidades no projeto, entre as quais itens que poderiam resultar em futura paralisação das obras, superfaturamento de preços e aditivos contratuais.

Para o secretário de Estado de Planejamento em exercício, Rodrigo Camelo, apesar da necessidade de reabertura do prazo para licitação, o processo é extremamente válido por comprovar a capacidade das instituições de construir um consenso acerca do projeto. O monotrilho é o projeto de mobilidade urbana do governo do Estado que visa a melhoria do transporte coletivo na cidade para a Copa do Mundo de Futebol de 2014. A implantação do sistema, que prevê 20 quilômetros de trilhos suspensos e 18 trens, está orçada em R$ 1,3 bilhão.
LEIA TAMBÉM:

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Monotrilho de Manaus está com licitação aberta



22/06/2010 - Transporte Idéias
O governo do Amazonas abriu a licitação para contratação, tipo técnica e preço, de para a elaboração do projeto executivo, construção, fornecimento e implantação de um sistema monotrilho para a Região Metropolitana de Manaus. A informação é da edição online da “Revista Ferroviária”.
O edital da concorrência deve ser adquirido na Comissão Geral de Licitação (CGL), na Av. Djalma Batista, 346, 1º andar, Bairro Chapada, em Manaus. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (92) 3214-5649.
A sessão publica para entrega das propostas está marcada para 12 de julho, às 9h

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Monotrilho de Manaus sairá até dia 18



10/05/2010 - Portal Amazônia

Representantes do Governo do Amazonas, Ministério Público Estadual e do Iphan chegaram a um entendimento, na noite de sexta-feira sobre os termos de licitação pública parra a construçao do sistema de monotrilho, tendo em vista a preparação de Manaus para sediar a Copa do Mundo de 2014. Com o acordo, a publicação do novo edital contendo as novas informações deverá ocorrer até o dia 18 deste mês. As informações são da Assessoria da Seplan.
Em abril, o Ministério Público, recomendou a suspensão do processo de licitação, uma das alegações foi a ausência de detalhamento no projeto básico de engenharia.
O governador Omar Azis defende o projeto do monotrilho, mas orientou a Secretaria Estadual do Planejamento (Seplan) a busca de um acordo para que não paire dúvidas sobre a transparência do processo.
Pelo acordo que será apresentado esta semana, o Estado se compromete a apresentar plano de compensação para a região contral sob influência do sistema. O projeto será elaborado pela Secretaria de Cultura.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Monotrilho de Manaus é adiado



28/04/2010 - Transporte Idéia
O Ministério Público Federal no Amazonas encontrou falhas no projeto básico do monotrilho de Manaus. Com isso, a apresentação da licitação teve que ser adiada. A informação é da edição online da “Revista Ferroviária”.
O monotrilho de Manaus é um dos projetos mais importantes que a cidade pretende realizar para a Copa do Mundo de 2014. As falhas apontadas pelo Ministério Público deverão ser consertadas e adequadas para as exigências legais. O traçado também terá que ser alterado, visando a preservação do Centro Histórico de Manaus.
A data para a entrega do projeto foi adiada para o dia 5 de maio. Segundo o Ministério Público, não há detalhamento no projeto arquitetônico das estações e do projeto complementar, sobre as fundações, estruturas, instalações elétricas e hidráulicas.
O traçado do monotrilho de Manaus terá 13,6 km de extensão, com sete estações e trens operando em sistema driverless (sem condutor) a 36 km/h, podendo alcançar no máximo 80 km/h. Serão 17 trens de oito carros, comportando mil passageiros por carro,  com paradas de 30 segundos  e intervalo entre os trens de três minutos.
Estima-se que 18,5 mil passageiros utilizem o monotrilho por hora/sentido em 2014 no percurso mais carregado, subindo para 37 mil em 2050. Manaus ainda estuda a possibilidade de estipular o mesmo valor adotado nas grandes capitais, como São Paulo e Rio, R$ 2,50. Para os casos de integração, a tarifa será de R$ 3,50.
As futuras estações do monotrilho de Manaus serão: Largo da Matriz, Constantino, São Jorge, Arena (próximo do futuro estádio de futebol que será construído especialmente para a Copa do Mundo), Santos Dumont, Manoa e Cidade Nova.