quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Manaus assinará contrato de monotrilho até o fim do mês

14/08/2012 - Portal D24am

Após reunião com o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, em Brasília (DF), que terminou na noite desta terça-feira (14), o governador do Amazonas, Omar Aziz, disse que o contrato com a Caixa Econômica Federal para a construção do monotrilho deverá ser assinado até o fim deste mês. A decisão foi tomada por meio da intermediação do Governo Federal junto ao banco, atendendo solicitação do governador.

"O ministro Aguinaldo Ribeiro determinou data. Até o fim de agosto a Caixa vai ter de analisar o projeto que já está lá há mais de um ano para que a gente possa assinar o contrato", afirmou Omar Aziz.

Participaram da reunião com o ministro e o governador, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior; a ministra da Cultura, Ana de Hollanda; o diretor executivo de Infraestrutura e Saneamento da Caixa Econômica Federal, Rogério de Paula; e o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Luiz Fernando de Almeida.

Segundo o governador Omar Aziz, a participação do Ministério da Cultura e do Iphan na reunião foi muito importante para a conclusão da discussão sobre a obra no que diz respeito à proteção do centro histórico de Manaus. "O Iphan, assim como a Caixa Econômica, está com todo o interesse de permitir a agilidade desta obra", frisou.

A partir do momento em que o contrato for assinado inicia o processo de liberação de verbas, que é gradativo conforme o andamento das obras. O valor do empréstimo para o monotrilho é da ordem de R$ 1,4 bilhão.

Omar Aziz destacou o empenho do Governo do Amazonas em solucionar este impasse com a Caixa afirmando que este será um dos maiores legados da Copa do Mundo de 2014 para o Estado. "Você fazer uma Copa e não deixar esse legado que vai beneficiar quem mora em Manaus seria algo que nos deixaria triste. Por isso nossa preocupação em resolver isso. Tenho certeza que com o contrato assinado, o trecho do monotrilho saindo da zona norte até a Arena da Amazônia estará pronto antes da Copa".

Em um segundo momento, o prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, participou da reunião no Ministério das Cidades para tratar sobre o projeto do BRT. Conforme o governador do Amazonas, Omar Aziz, o contrato desta obra de mobilidade também será firmado até o fim de agosto. "O projeto da Prefeitura já foi analisado e aprovado pela Caixa. Com a assinatura, a obra deve iniciar imediatamente", afirmou Omar Aziz.

Arena da Amazônia

Sobre a construção da arena que receberá os jogos da Copa, Omar Aziz disse que a expectativa é que, nesta quarta-feira (15), o pleno do Tribunal de Contas da União aprove o valor da obra conforme o planejado pelo Estado, que deve fechar na ordem de R$ 529 milhões. "Nós tínhamos falado que não aceitaríamos um valor acima disso. E agora o TCU vai votar e deverá encaminhar essa decisão ao BNDES para que 80% dos recursos que faltam sejam liberados", comemorou.

Habitação

Durante a reunião no Ministério das Cidades, também foi discutido o projeto de revitalização do Igarapé Cachoeira Grande/Franceses, na zona oeste de Manaus. A ordem de serviço para este projeto, previsto no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), já foi dada pelo governador e as obras não iniciaram por conta da cheia deste ano. "Até agora estávamos esperando as águas baixarem, mas a Caixa Econômica também já foi autorizada a assinar esse contrato com o Governo do Amazonas", disse.

O projeto de urbanização do Igarapé Cachoeira Grande/Franceses prevê a construção de 2.358 casas. O investimento é da ordem de R$ 106 milhões, sendo R$ 26 milhões de contrapartida estadual.

sábado, 11 de agosto de 2012

Monotrilho pode resolver problema de transporte em BH

08/08/2012 - Jornal da Alterosa 1ª Edição

Enquanto um quilômetro de metrô pode custar até R$ 222 milhões, o de monotrilho não passa de R$ 70 milhões

Um trem rápido que corre sobre um trilho pode resolver boa parte dos problemas do transporte coletivo em Belo Horizonte. Não é cena de filme de ficção científica e a capital pode ter cara de cidade futurística, em um tempo nem tão longe assim. O projeto já foi apresentado a representantes do poder público e, caso aprovado, pode ficar pronto para Copa do Mundo.

O projeto prevê 18 estações que ligariam a região central ao Aeroporto de Confins, passando pela Universidade Federal, Mineirão, aeroporto da Pampulha e Cidade Administrativa. Seriam 44 quilômetros de trilhos e alcançaria ainda as cidades de Lagoa Santa e Vespasiano.

O monotrilho é economicamente mais viável. Enquanto um quilômetro de metrô pode custar até R$ 222 milhões, o de monotrilho não passa de R$ 70 milhões. Além de levar três vezes menos tempo para ser construído, é mais silencioso, não polui e alcança uma velocidade de 80 km/h. Além disso, não há necessidade de grandes desapropriações pois é construído no canteiro central das avenidas.

Mesmo com a implantação do monotrilho, o metrô vai continuar sendo o meio de transporte coletivo mais viável. O reforço vem para suprir a alta demanda de passageiros da capital e de quebra deixar a cidade com cara de mais moderna.

Em média, cerca de 250 mil pessoas vão poder ser transportadas por esse veículo de primeiro mundo, com ar condicionado e sistema de som. Para o bolso do passageiro, deve ser o mesmo valor da passagem do metrô que hoje é de R$ 1,80