sábado, 11 de agosto de 2012

Monotrilho pode resolver problema de transporte em BH

08/08/2012 - Jornal da Alterosa 1ª Edição

Enquanto um quilômetro de metrô pode custar até R$ 222 milhões, o de monotrilho não passa de R$ 70 milhões

Um trem rápido que corre sobre um trilho pode resolver boa parte dos problemas do transporte coletivo em Belo Horizonte. Não é cena de filme de ficção científica e a capital pode ter cara de cidade futurística, em um tempo nem tão longe assim. O projeto já foi apresentado a representantes do poder público e, caso aprovado, pode ficar pronto para Copa do Mundo.

O projeto prevê 18 estações que ligariam a região central ao Aeroporto de Confins, passando pela Universidade Federal, Mineirão, aeroporto da Pampulha e Cidade Administrativa. Seriam 44 quilômetros de trilhos e alcançaria ainda as cidades de Lagoa Santa e Vespasiano.

O monotrilho é economicamente mais viável. Enquanto um quilômetro de metrô pode custar até R$ 222 milhões, o de monotrilho não passa de R$ 70 milhões. Além de levar três vezes menos tempo para ser construído, é mais silencioso, não polui e alcança uma velocidade de 80 km/h. Além disso, não há necessidade de grandes desapropriações pois é construído no canteiro central das avenidas.

Mesmo com a implantação do monotrilho, o metrô vai continuar sendo o meio de transporte coletivo mais viável. O reforço vem para suprir a alta demanda de passageiros da capital e de quebra deixar a cidade com cara de mais moderna.

Em média, cerca de 250 mil pessoas vão poder ser transportadas por esse veículo de primeiro mundo, com ar condicionado e sistema de som. Para o bolso do passageiro, deve ser o mesmo valor da passagem do metrô que hoje é de R$ 1,80

Nenhum comentário:

Postar um comentário